Informações sobre a toxoplasmose, causas, sintomas, prevenção e tratamento da toxoplasmose, identificando os diversos tipos existentes.


Prevenção e controle da toxoplasmose

Qualquer pessoa pode ser infetada com a toxoplasmose. O parasita é encontrado em todo o mundo.
Você está em risco de sérios problemas de contrair de toxoplasmose se:
  • Você tiver HIV/AIDS. Muitas pessoas com HIV/AIDS também têm toxoplasmose, como infecção recente ou como infecção antiga que é reativada.
  • Você estiver passando por quimioterapia. A quimioterapia afeta o sistema imunológico, o que torna difícil para o seu corpo combater infecções ainda que menores.
  • Você tomar esteróides ou outras drogas imunossupressoras. Medicamentos usados para tratar certas condições não-malignas suprimem o sistema imunológico e tornam-no mais propenso a desenvolver complicações devido a toxoplasmose.
  • Você estiver grávida. Se você tem toxoplasmose ativa, o tratamento pode reduzir o risco para o seu bebê. Se você tinha toxoplasmose antes de engravidar, geralmente, pode não passar a infecção ao seu bebê.
A prevenção da doença assume importância fundamental, uma vez que as sequelas são irreversíveis. A doença pode ser dividida em três categorias: primaria, secundaria e terciaria. A prevenção primaria caracteriza-se, basicamente, na identificação dos fatores de risco para toxoplasmose durante a gestação e fornecimento de orientações às gestantes soronegativas na primeira consulta pré-natal. Essas orientações, quando aplicadas no pré-natal, contribuem para a redução de 63% da primo infecção na gravidez.
A prevenção secundaria consiste em tentar evitar a transmissão transplacentaria do parasita por meio da adoção de diagnostico precoce da infecção na gestante e de seu tratamento antiparasitário. Um diagnostico sorológico realizado na mulher em idade reprodutiva, identificando as soronegativas de risco para adquirirem a infecção na gestação, seleciona aquelas que necessitam de vigilância pré-natal quanto a possibilidade de infecção aguda pelo Toxoplasma gondii.
A prevenção terciária inclui o diagnóstico da infecção no feto ou no recém-nascido e a instituição precoce de tratamento de modo a minorar as repercussões clínicas da doença. As técnicas de diagnóstico pré-natal da toxoplasmose incluem a ecografia, a qual apenas é sensível em caso de doença grave, a amniocentese com pesquisa do Toxoplasma gondii por PCR (polymerase chain reaction), a cordocentese e a colheita de sangue fetal para realização do estudo sorológico.
Evitar o uso de produtos animais crus ou mal cozidos (caprinos e bovinos); eliminar as fezes dos gatos infetados; proteger as caixas de areia dos gatos; lavar as mãos após manipular carne crua ou terra contaminada; evitar contato de grávidas com gatos.
Uma vacina humana contra a infecção por Toxoplasmose gondii é muito desejável, porém, ainda está longe da realidade. Até hoje, somente a cepa viva atenuada S48 foi autorizada para uso em rebanho ovino, na Europa e na Nova Zelândia.
Algumas pesquisas têm sido realizadas com o intuito de induzir a proteção por Linfócito T (Th1) e por respostas humorais, com a esperança de mimetizar uma imunidade por toda a vida, que só é conseguida quando existe infecção natural.


ACOMPANHE OS ARTIGOS DO BLOG NO SEU EMAIL